Estatutos
Orgãos Sociais
Actividades
Apoios
Sócios
Inscrição/Quotas
Livraria
Contactos
História
Roteiro
Indice Temático
Indice Analítico
Sala dos Índices
Arquivos Distritais
Bibliografia
Bases de Dados
Paroquiais
Ajuda
Roteiro Índice Temático Bases de Dados Contactos
Conselho Ultramarino
Tipo: Fundo    Dimensão:    Datas:
História:
O Conselho UItramarino foi criado e regulamentado por Regimento de 14 de Julho de 1642, para se ocupar de todas as matérias e negócios, de qualquer qualidade que fossem, relativos à Índia, Brasil, Guiné, ilhas de São Tomé e Cabo Verde e todas as mais partes ultramarinas. No conjunto das suas competências destacam-se a administração da Fazenda, a decisão sobre o movimento marítimo para a Índia, definindo as embarcações, a equipagem e as armas, o provimento de todos os ofícios de Justiça e Fazenda e a orientação dos negócios tocantes à guerra. Passavam, ainda, pelo Conselho Ultramarino os requerimentos de mercês por serviços prestados no Ultramar. Era composto por um presidente, quatro conselheiros, um secretário e dois porteiros. Pelo Regimento dos ordenados de 23 de Março de 1754, verifica-se que à composição primitiva foi acrescentado um lugar de procurador da Fazenda, um de tesoureiro privativo com um escrivão e fiel, um executor das dívidas activas, um solicitador da Fazenda e um contador dos Contos do Ultramar.

O Conselho IDtramarino foi extinto por Decreto de 30 de Agosto de 1833, passando as suas atribuições contenciosas a pertencer aos competentes juízes, as de administração da Fazenda ultramarina ao Tesouro Público, e as de jurisdição voluntária e graciosa à Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar, Por decreto de 23 de Setembro de 1851 (publicado no Diário do Governo de 18 de Outubro) foi criado um novo Conselho Ultramarino, o qual foi extinto por Lei de 23 de Setembro de 1868, tendo-lhe sucedido a Junta Consultiva do Ultramar.
Descrição:
Registo de padrões de juros tomados para empreendimentos no Ultramar, de fianças por contratos de arrematações de pimenta, cravo, cacau, açúcar e couros, de pagamentos de ordenados e ajudas de custo a familiares de embarcados ou funcionários no Ultramar, do cumprimento de ordens e rotas marítimas, do recebimento dos direitos do sal do Brasil e de Angola, dos dízimos das âlfandegas do Rio de Janeiro, Baía, Pernambuco, Paraíba, Pará.