Estatutos
Orgãos Sociais
Actividades
Apoios
Sócios
Inscrição/Quotas
Livraria
Contactos
História
Roteiro
Indice Temático
Indice Analítico
Sala dos Índices
Arquivos Distritais
Bibliografia
Bases de Dados
Paroquiais
Ajuda
Roteiro Índice Temático Bases de Dados Contactos
Real Academia da História
Tipo: Fundo    Dimensão:    Datas:
História:
A Real Academia de História, criada por D. João V, por Decreto de 8 de Dezembro de 1720, surgiu na sequência da criação de Academias Régias na Europa, ao longo do século XVIII. Tinha como objectivo escrever a história de Portugal e conquistas. Os seus estatutos foram confirmados por decreto de 4 de Janeiro de 1721. Compunha-se de 50 sócios: 40 da Academia de Anónimos e das Conferências Discretas e 10 escolhidos pelo Rei. Foi inicialmente instalada no palácio dos Duques de Bragança, tendo sido dotada da prestação anual de 1.000$00 reis, pelo Decreto de 6 de Janeiro de 1721. Por da Carta régia de 11 de Janeiro e pelos Avisos de 16 e 18 de Março do mesmo ano, foilhe facilitado ~ acesso e a cópia de documentos de todos os cartórios e arquivos do reino. Cabia-lhe, também, tomar as medidas necessárias à conservação dos monumentos, sobre o que existe um Decreto, publicado em 14 de Agosto de 1721, proibindo a demolição de monumentos, estátuas e mármores, protegendo as medalhas e moedas antigas e atribuindo às Cãmaras a incumbência de conservar e preservar as antiguidades já existentes e a descobrir. O Decreto de 29 de Abril de 1722 isentou a Academia de licença do Desembargo do Paço para a impressão de todas as obras de académicos, que só deviam ser submetidas ao exame dos quatro censores da Academia. O Alvará de 8 de Abril de 1724 determinou que os oficiais da reformação do Real Arquivo se ocupassem na elaboração de cópias para a Academia e, o de 19 de Outubro de 1725, autorizou que aqueles oficiais que houvessem sido despedidos pelo guarda-mor continuassem, durante mais um ano, a elaborar as referidas cópias. Tal situação foi, sucessivamente, prolongada por mais um ano pelos Alvarás de 2 de Outubro de 1726 e de 30 de Outubro de 1727. Graças ao apoio financeiro recebido, pôde contar com os oficiais necessários à montagem do instrumental para impressão de livros. Em 1727 saiu o primeiro volume da História da Academia. Para além da impressão de obras raras, publicou, anualmente, a Colecção de Documentos e Memórias, de 1721 a 1736, que disponibilizaram importante informação sobre os institutos religiosos. Procedeu, ainda, à publicação das obras dos
seus sócios, entre as quais a História Genealógica da Casa Real Portuguesa, de D. António Caetano de Sousa, e as respectivas Provas (1735-1748); Memórias sobre D. Sebastião (1736-1751); Biblioteca Lusitana, de Diogo Barbosa Machado (1741-1759); Notícias Cronológicas da Universidade de Coimbra, de Francisco Leitão Ferreira (1729); Memórias para a História Eclesiástica do Arcebispado de Braga, de D. Jerónimo Contador de Argote (1732-1747). Deve-se à Academia a primeira tentativa de catalogação dos documentos portugueses do Arquivo de Simancas. As desavenças que desde o início dividiram os académicos juntamente com a criação da Academia Real das Ciências, em 1779, foram parcialmente responsáveis pelo seu declínio. Apesar de tudo, vários dos seus elementos mantiveram as reuniões no início do século XIX, até à partida da Corte para o Brasil.