Estatutos
Orgãos Sociais
Actividades
Apoios
Sócios
Inscrição/Quotas
Livraria
Contactos
História
Roteiro
Indice Temático
Indice Analítico
Sala dos Índices
Arquivos Distritais
Bibliografia
Bases de Dados
Paroquiais
Ajuda
Últimas Actualizações
Roteiro Índice Temático Bases de Dados Contactos
Real Fábrica das Sedas
Tipo: Fundo    Dimensão:    Datas:
História:
A Real Fábrica das Sedas, que foi, no seu início, resultado de uma iniciativa particular, teve a confirmação dos seus estatutos por Alvará de 6 de Agosto de 1757, sendo da mesma data o Regimento Secretíssimo. Pelos Estatutos foi criada uma Direcção, subordinada à "Junta do Comércio destes Reinos e seus Domínios", e composta por 4 directores. Por Alvará de 22 de Setembro de 1758, foi criado um quinto lugar de director para o qual foi nomeado Roberto Godin, o fundador da Companhia da Fábrica das Sedas.
O plano de edificação do bairro das Águas Livres para o estabelecimento dos fabricantes de seda incorporados na Real Fábrica foi aprovado por Decreto de 14 de Março de 1759. Na sua dependência, ou sob a sua inspecção, foram surgindo uma série de fábricas, as designadas "fábricas anexas". A diversidade destas fábricas está presente não só na sua dimensão (algumas não seriam mais do que simples oficinas), como nos produtos manufacturados. Em 18 de Julho de 1777, sendo extintas por Alvará, a Direcção da Real Fábrica das Sedas e a Junta das Obras de Águas Livres, estas aparecem reunidas sob a designação de Junta da Administração das Fábricas do Reino e Obras de Águas Livres. A Direcção da Real Fábrica das Sedas foi restabelecida pela Carta de Lei de 5 de Junho de 1788, passando novamente a superintendência das fábricas para a Real Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação. Nos primeiros anos do século XIX a Real Fábrica das Sedas entrou num processo de decadência. Pelo Decreto de 6 de Agosto de 1833 foi extinta a Direcção da Real Fábrica das Sedas e Obras de Águas Livres, sendo demitidos os membros da mesma direcção. Uma Portaria do Ministério do Reino de 27 de Julho de 1835 mandou que se procedesse à venda em hasta pública de todos os seus prédios.
No aspecto orgânico-funcional a Real Fábrica das Sedas manteve, sensivelmente, a mesma estrutura ao longo dos tempos, podendo dividir-se em quatro grandes áreas: administração, contabilidade, produção e venda. A cada uma destas áreas corresponderam uma ou diversas repartições:
Direcção, Contadoria

Administração da Seda Crua e Materiais, Administração da Seda Tinta, Administração do Tirador e Galões e Administração da Venda.
História custodial:
Existe apenas o registo de entrada de 4 livros, remetidos pelo contador geral da Administração da Fábrica das Sedas, por Ofício de 12 de Setembro de 1833 (Arquivo do Arquivo, Avisos e Ordens, mç. 15, n" 105). Para a restante documentação não foram encontradas informações sobre a história custodial, nem sobre a data da sua incorporação na Torre do Tombo.