Estatutos
Orgãos Sociais
Actividades
Apoios
Sócios
Inscrição/Quotas
Livraria
Contactos
História
Roteiro
Indice Temático
Indice Analítico
Sala dos Índices
Arquivos Distritais
Bibliografia
Bases de Dados
Paroquiais
Ajuda
Roteiro Índice Temático Bases de Dados Contactos
Tipo: Fundo    Dimensão: 13 cx.; 9 pt    Datas: 1895-1967
História:
O Partido Socialista Português a que se reporta este conjunto documental existiu entre 1895 e 1930. A sua criação resultou de uma conferência nacional-socialista realizada em Tomar a 14 de Outubro de 1895, na qual foi confirmada a separação entre as duas correntes socialistas existentes.

Em 1875 foi fundado o Partido Socialista por proposta de Azedo Gneco.

Para redigir o programa foi criada uma comissão composta, entre outros, por José Fontana, Azedo Gneco, Nobre França e Antero de Quental. No ano de 1877 realizou-se o primeiro congresso nacional-socialista e o segundo em 1879. Neste último, o Partido passou a ter uma nova designação - Partido dos Operários Socialistas em Portugal. A realização de dois congressos internacionais socialistas em Paris, em 1889, cada um deles subordinado a uma corrente socialista diferente, deu origem a que duas facções, a possibilista e a marxista, dividissem os socialistas.

Na conferência de Tomar de 1895, os marxistas, como Azedo Gneco e Luís de Figueiredo, formaram, com um novo programa, o Partido Socialista Português.

A actividade deste partido não foi contínua, e não teve um papel relevante na vida política, mesmo após a implantação da República. Recusou participar no governo, embora, excepcionalmente, alguns dos seus membros tenham integrado alguns governos. Augusto Dias da Silva, em 1919, esteve no Ministério do Trabalho; Ramada Curto foi Ministro das Finanças em 1920 e do Trabalho em 1921; e Costa Júnior esteve também no Ministério do Trabalho em 1920.

Na década de 30, o Partido Socialista pode considerar-se praticamente inexistente, embora houvesse tentativas de reorganização do movimento e continuasse a existir actividade política baseada na mesma ideologia. Os socialistas, na vigência do Estado Novo, tiveram dificuldade em manter a clandestinidade, tendo permanecido o ideal socialista apenas representado por grupos e associações.
Descrição:
Documentação produzida e recebida pelo Partido Socialista Português, no exercício efectivo da sua actividade - entre 1895 e 1930, e alguma que se prolonga para além da data considerada da sua extinção - até 1967. Esta última ,consiste, sobretudo, em correspondência recebida da Internationale Ouoriêre Socialiste e em recortes de jornais incidindo sobre política, religião e desporto a nível nacional e internacional.

Inclui livros de actas das reuniões dos centros socialistas e de congressos; livros caixa; livros de ponto; livros de inscrição de sócios; fotografias; relatórios; circulares; teses; moções; correspondência diversa, recebida e expedida, incluindo originais e cópias; livros de termos de posse; estatutos e projectos dos mesmos; e recortes de imprensa (jornais, revistas).

A temática da documentação é maioritariamente política e social, destacando-se as questões do movimento operário socialista. A maioria dos documentos é proveniente da Sociedade Cooperativa Fraternidade Operária de Lisboa; Federação das Associações de Classe; associações de classes profissionais; Confederação Socialista da Região Sul; Junta Regional do Sul; Conselho Central; Conferência Internacional do Trabalho e Sociedade das Nações; Sociedade Filarmónica Euterpe de Benfica; Federação Municipal de Coimbra e Federação Municipal de Lisboa; Sociedade Cooperativa Fraternidade Operária de Lisboa; imprensa desportiva; e Internationale Ouvrière Socialiste.