Estatutos
Orgãos Sociais
Actividades
Apoios
Sócios
Inscrição/Quotas
Livraria
Contactos
História
Roteiro
Indice Temático
Indice Analítico
Sala dos Índices
Arquivos Distritais
Bibliografia
Bases de Dados
Paroquiais
Ajuda
Roteiro Índice Temático Bases de Dados Contactos
Tipo: Fundo    Dimensão: 12 caixas    Datas: 1928-1974
Auxiliares de Pesquisa: L 646
História:
O Golpe de Estado iniciado em Braga pelo general Gomes da Gosta e por Mendes Cabeçadas, em 28 de Maio de 1926, extinguiu instituições e partidos políticos. O movimento revolucionário militar pôs fim à I República, sendo instituída uma ditadura militar que viria a dar origem ao Estado Novo. A Liga Nacional 28 de Maio foi criada em finais de 1927 por militares e elementos civis que participaram, combateram ou colaboraram no movimento revolucionário.

Segundo o art°. 3 dos estatutos a Associação "Liga Nacional 28 de Maio tem por fim "1) Apoiar a situação criada pelo movimento Nacional de 28 de Maio de 1926, 2) integrar no espirito e finalidade da ditadura as classes trabalhadoras, 3) Agir energicamente nos meios académicos, para fazer n'eles ressurgir o mesmo entusiasmo ardoroso pela obra da Ditadura que se manifesta no início da Revolução Nacional, 4) Avivar permanentemente o sentimento da Nacionalidade, 5) Fomentar, ao lado dos sentimentos e aspirações nacionalistas, um espírito Social forte e moderno". Com a aprovação dos estatutos pelo Governo, foram instituídas várias delegações locais no País (Porto, Évora, Leiria, Viseu, Faro, Coimbra, Viana do Castelo, Barreiro, Torres Vedras e Alenquer). A Liga 28 de Maio era uma associação de propaganda Nacionalista "Patriota" e "defensora da Pátria" que "manterá, intransigentemente, um caracter absolutamente Nacional, de respeito pelo regime republicano, acima de todos os partidarismos, e unida em volta do Chefe de Estado, como supremo representante da Nação" (art. 4°).

Segundo o art. 5°, os fins da Liga postulam meios como "Organizar palestras, distribuir folhetos patrióticos", promover, "de acordo com as autoridades, várias celebrações, comemorações históricas, cortejos e manifestações nacionais", como é exemplo, o da sessão comemorativa da entrada do Professor Oliveira Salazar para o Governo, a 27 de Abril de 1928, como titular da pasta das Finanças, evento promovido todos os anos. Efectuava cursos para adultos, organizava os cadernos eleitorais e comissões de estudo dos vários problemas nacionais.

Eram "admitidos como sócios da Liga 28 de Maio todos os portugueses, no pleno uso dos seus direitos, maiores de 21 anos ou legalmente equiparados, que à data da inscrição, não estejam filiados em qualquer associação secreta e cujo passado moral ou político não possa ser prejudicial aos interesses e fins da Liga".
Ainda, segundo os estatutos da Liga, a Direcção era constituída por cinco vogais, dos quais um seria Presidente, funcionando junto da Direcção uma Secretaria Geral. A Assembleia Geral, constituída pelos presidentes das Delegações, núcleos e células de todo o País e pelos chefes de todas os organizações autónomas dependentes da Liga, elegiam a Direcção e o Conselho Fiscal. Foram presidentes desta liga os coronéis Lopes Mateus e Santos Pedrosa. Esta Associação que funcionou durante o Estado Novo chegou a ter cerca de 22 mil sócios, sendo as suas instalações em Lisboa, na Rua das Gaivotas n° 6.

História custodial e arquivística:
Após o 25 de Abril de 1974, de acordo com o n°. 2 do art". 16 do Decreto-Lei n°. 123/75, de 11 de Março, a documentação da Liga 28 de Maio foi entregue aos Serviços de Coordenação da Extinção da PIDEIDGS e LP, criados a 7 de Junho de 1974, por Despacho do Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas, e regulamentado por Despacho de 28 de Junho do mesmo ano. A 17 de Janeiro de 1991 (DL4/91) foram extintos os Serviços de Coordenação da Extinção da PIDEIDGS e LP, e toda a documentação tutelada pelos mesmos foi integrada no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, passando esta entidade a "tomar as medidas necessárias à sua transferência, conservação, ordenação, inventariação e descrição".
Descrição:
O fundo é constituído por copiadores de correspondência expedida, correspondência recebida, cadernetas de registo de sócios, ficheiros e propostas de sócios (inclui dados pessoais e fotografias), documentos de receita e despesa, folhas de descarga de pagamento de quotas dos sócios e folhas de quotas que não foram pagas, curricula vitae de sócios, e recortes de imprensa sobre a actividade da Liga. Inclui uma minuta de um discurso sobre a reabertura da sede nas instalações da Câmara Municipal de Lisboa, proferido por um responsável da Liga e um mapa de recenseamento de freguesias do concelho de Coimbra.